logo

O que chamamos família

silhouette-74876_640O que chamamos família

Vinicius Cavalcanti de Abreu – Psicólogo clínico/Especialista em Psicoterapia de Família e Casal. Sócio e cocriador do Multiverso Terapêutico.

 

É com grande prazer e interesse que apresento este tema para reflexão. Tenho verdadeira alegria e imediata prontidão para estudar, conversar e debater sobre o assunto família, principalmente no que se refere à problematização de suas configurações. Sei que para algumas pessoas este é um assunto delicado e, portanto, percebo ser importante deixar muito claro o lugar de onde “falo” para tecer esta reflexão.

Escrevo e me expresso neste momento não só como Terapeuta de Família, que tem afinidades com as teorias contemporâneas deste campo e sofre a influência destas vozes em seu trabalho, mas, também, como pessoa e cidadão, que, a partir do compartilhamento destas ideias, pretende lançar luz e contribuir com este diálogo através de uma perspectiva mais empoderadora, respeitosa e inclusiva.

Vivemos um momento em que a família tem sido tema de muitas conversas e para alguns, fonte de preocupação. Facilmente nos defrontamos com discursos alarmistas sobre a desestruturação dos valores familiares e o risco de esfacelamento desta instituição. Estes discursos buscam, através de seus critérios e argumentos calcados no medo, defender que existe um padrão para o que deva ser aceito como formação da família. Nesta lógica, um grupo de pessoas só poderia adotar a denominação de família ao obedecer a tais e tais critérios de validação e por que não, “pureza”.

Quando alguém diz, por exemplo, que a família somente é constituída através da união de um homem e uma mulher que geram filhos, está fazendo uma delimitação do tipo “é isso”, o que, imediatamente, deixa implícito, num ato de exclusão o “e não aquilo”, referindo-se a todas configurações que não cabem de forma literal na descrição feita.

Nesta delimitação do tipo “é isto e não aquilo” atribui-se socialmente um status pejorativo a tudo o que não se encaixa na descrição padrão, tornando as outras configurações de “ajuntamento” ilegítimas. Por sua vez, a ilegitimidade leva à invisibilidade e estar invisível é não existir, não ser visto aos olhos da sociedade.

Quando somos e nos sentimos invisíveis socialmente ficamos alheios e alijados de nossos direitos, que, supostamente deveriam estar assegurados. A invisibilidade também traz sérias consequências psicológicas e emocionais, pois influencia o ser e estar no mundo, a autoimagem e o senso de adequação e pertencimento.

Por outro lado, esta postura que busca a padronização também encerra uma perspectiva que considera a família uma instituição a priori, estática, pronta e engessada, e não uma construção do humano, portanto, plástica, mutável, social, política e histórica. Em constante construção ao longo do nosso fazer enquanto seres humanos.

E qual é esta imagem padrão de família? É a que chamamos nuclear. Constituída por pai, mãe e filhos, consanguíneos, intacta (onde não há divórcio), geralmente branca e de classe média. A família da propaganda de margarina, detergente e pacote de viagem. Peço por favor, que reflitam se a sua vivência de família é totalmente compatível com esta imagem. Com certeza ela não representará a realidade de muitas pessoas. O que dizer então: será que estes que não se sentem representados devem considerar que não tem ou não sabem o que é viver em família?

A família surge como uma forma de estruturação alicerçada no prazer da convivência, na construção de laços de suporte e ajuda, na busca da sobrevivência através da mútua proteção e por que não, como forma de proteção também de bens e riquezas dentro de um mesmo clã. É uma instituição que deu certo e que cumpre função muito importante na vida do ser humano, mas está longe de ter uma única configuração e ser estática.

Se observarmos, muitos podem ser os critérios que levam um indivíduo a circunscrever sua formação familiar. Estes podem ser religiosos, biológicos, afetivos, emocionais, legalistas… ou até mesmo a combinação de alguns destes.

Considero esta reflexão bastante pertinente principalmente para nós, psicólogos clínicos, profissionais acostumados a receber famílias em nosso setting terapêutico. Mesmo em um atendimento individual, a família se fará presente em toda sua vivacidade relacional e transgeracional por meio das falas do cliente. A postura que adquirimos diante das variadas configurações familiares que nos chegam será fundamental, seja reverberando vozes libertadoras ou estimulando visões opressoras.

Desenvolver um olhar crítico para algumas teorias que embasam o campo da Terapia Familiar também é fundamental, já que a diversidade de arranjos e possibilidades criativas do ser humano não pode ser engessada por visões estáticas e que prescindam da coconstrução terapeuta/cliente (s).

Mais do que impor o que é família e qual deve ser sua forma de se apresentar precisamos entender que os jeitos de ser família são muitos e nisso não há problema algum. Possibilidades e limitações estarão presentes em quaisquer que sejam as formações familiares. O que diz da saúde de uma família não é o fato de apresentar-se como nuclear, homo afetiva, reconstituída, mono parental, de escolha ou mais uma variedade de nomes que podemos utilizar para descrevê-las, mas a qualidade das relações, a circulação do afeto, a capacidade de nutrir, proteger, amparar, transmitir ensinamentos, estimular o desenvolvimento e se sentir pertencente.

Nesta lógica quem delimita sua família é o próprio indivíduo e nela cabem infinitas possibilidades e critérios que precisam ser respeitados. Quem foi que disse que nossas vivências e percepções têm de ser as mesmas? Em que a minha forma de viver o “ser família” ameaça a sua? Isso é saber conviver.

Viva a diversidade!

Vinicius Cavalcanti de Abreu – Psicólogo clínico em Belo Horizonte (CRP 04/22.700). Especialista em Psicoterapia de Família e Casal. Sócio e cocriador do Multiverso Terapêutico, espaço virtual para trocas sobre Psicologia, Terapia Familiar e temáticas contemporâneas. Atende em consultório crianças, adolescentes, adultos, casais e famílias.  Contato: 3335 5503 / 9626 6173

 

 

 

 

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.