logo

A DOR NA ALMA E A FORÇA DE UM CACTO: DIGA NÃO AO SUICÍDIO

Dayanne Rose/Psicóloga  

Certamente você já leu sobre a Campanha Setembro Amarelo com o objetivo de prevenção ao suicídio… Pode conhecer alguém que esteja sem esperança ou está passando por um momento assim, de turbulências, falta de amor (próprio ou de seus familiares…quem sabe de amigos); falta de trabalho; perda de uma pessoa muito querida; enfim  são muitas possibilidades de sentir um vazio na alma e falta de sentido na vida. E provavelmente você já escutou ou convive com alguém que diante de tantos desgostos que a vida tem lhe dado, tenha emitido frases como:

” Não suporto mais viver assim…”

“Talvez seria melhor desaparecer…”

“Quero morrer e deixar vocês em paz!”

“Estou cansado (a) deste mundo…” e outras frases de maneira a expressar um desejo de dar fim á própria vida como o melhor remédio.

Em um mundo em que a intolerância tem prevalecido, mudanças nas relações tem afastado cada vez mais as pessoas fisicamente e emocionalmente e dado lugar ao sentimento de estar só… Tem alargado o fenômeno que não é novo, mas que tem gerado muitos “porquês” que por exemplo fulano tirou a própria vida”. Enquanto você lê este texto, neste exato momento, alguma pessoa pode está pensando (ideação suicida), tentando ou até mesmo ter cometido o ato de tirar a própria vida por conta de um emaranhado de situações complexas que tem vivido e por não perceber a possibilidade de buscar ajuda. É assustador observar que independente de idade/raça/escolaridade/ ou situação econômica , existem um número alto de pessoas carregando tamanha dores do seu existir e buscando a morte como solução definitiva de seus problemas.

O título deste texto, nos convida a buscar as coisas básicas em nosso dia-a-dia, como a olhar e lançar a oportunidade de mostrar a beleza que tem por traz daquilo que se vê.

Perceba como um cacto é… aparentemente feio, cheio de espinhos, talvez sem graça, porém pode lhe surpreender pois para se proteger precisa de seus espinhos para as possíveis ameaças de um terreno árido, da solidão do dia e da noite… Possui uma força que a cada dia em seu íntimo vai absorvendo com a captação de água através de suas raízes, o talo e as folhas que engrossam para manter-se por muito tempo ( e conseguem superar outras plantas por essa habilidade de armazenagem de água)… Mas você deve estar se perguntando: “ O que um cacto tem a ver com um ser humano? Tudo!”

Vamos lá: a dor emocional que algum conhecido seu ou até você esteja passando, não precisa ser suportada sozinha; o cacto busca no solo a captação de qualquer partícula de água para se manter. Ou seja, você possui uma força que está, bem aí, dentro de você, precisando apenas de ser “atrair para si”.

Se a vida está com uma aparência feia? Dê outra conotação a ela… quando a decisão de morrer vem sem a possibilidade de negociar com outras possibilidades de enfrentamentos, é necessário ter compaixão e não julgar, pois segundo estudos a pessoa encontra-se com o pensamento disfuncional, necessitando de ajuda psicológica e dependendo de alguns casos ajuda também psiquiátrica para começar a caminhar com outro viés…Além disso, essa decisão por si só gera sofrimento para a própria pessoa e para quem está ao seu redor… gerando apreensão de quem acompanha.

É importante ressaltar que de fato a pessoa deseja é acabar com a dor emocional e não tirar a vida… e geralmente pela falta de conhecimento é entendido como frescura, uma maneira de chamar atenção ou até mesmo é motivo de chacota.

É difícil suportar a sensação de “sufocamento no peito”, “nó na garganta” ou o menosprezo, mas é necessário eu escrever: como um cacto, depois de uma aparência grossa, cheia de espinhos… você vai percebendo a força que possui dentro de si quando permite ser ajudado… e acredite a cada instante vai percebendo a possibilidade de dar pequenas e sutis flores para provar para si mesmo(a) que foram as dores que te ensinaram a superar e sobreviver…

Como tem sido divulgado neste mês (nível mundial) ao combate e prevenção do suicídio, é um fenômeno  complexo pois atinge 01 (uma ) pessoa a cada 45 minutos que tenha tentado contra a própria vida. Não se pode dizer que seja por falta de Deus ou que deseje aparecer (chamar atenção), não é nada disso… pode ser até devido a dificuldade de descrever suas emoções e sentimentos com alguém que tenha confiança, é que a pessoa busca-se isolar-se. Começa a demonstrar perda de interesse em coisas que antes geravam prazer, geralmente possui algum transtorno psicológico (depressão, dependência química, alcoolismo, transtorno bipolar e outras condições como traumas como violência doméstica e outros) .

Existem profissionais na área de saúde preocupados com essa temática: Suicídio – afinal é preciso quebrar o tabu e esclarecer dúvidas/mitos e a compreensão da dor emocional do outro. Além disso, existe o novo número do CVV (Centro de Valorização da Vida) o 188 que é gratuito e realiza o atendimento 24 horas.

Concluo aqui que chamar alguém para conversar quando se percebe que algo não anda certo sem preconceitos, sem julgamentos pode  e costumar aliviar ou identificar o que dói… ou falar aquilo que incomoda é necessário para que a vida pelo menos vai ficando mais leve… Convido a você buscar esta semelhança de seguir a vida como um cacto que no final de várias provações ainda é capaz de dar flores… Lembre-se: falar é a melhor solução e não só em setembro, mas por toda á vida.

 

Psicóloga Dayanne Rose

Contato: 031 9 8681-5281

Email: dayannerose@yahoo.com.br

 

 

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.