logo

Abril/um verdadeiro CAOS! MAIO/ O CAOS continua!!!

TÂNIA NOGUEIRA

Este abril de 2020 vai ser lembrado, sempre, como o mês que se instaurou o CAOS em grande parte do mundo  e no Brasil, especialmente.

Os acontecimentos revelam o que nunca se viu antes no Brasil: um caos econômico, político, social, moral, familiar e pessoal, além do caos provocado pelo Covid-19.

A teoria do caos (desenvolvida por Edward Lorentz) postula que uma pequena alteração ou mudança no início de um evento, aparentemente banal, no decorrer do processo, transforma-se em consequências desproporcionais e imprevisíveis. Portanto o que define o CAOS é  um estado de desordem, balburdia, confusão, indiferenciação e que gera e é gerado pelo desequilíbrio.

Os acontecimentos no Brasil mostram que a desordem e a balburdia predominam aqui. Vai desde um presidente que não “está nem aí “ para o sofrimento do povo e nem para a ciência até os dados oficiais que indicam a falta de controle no combate à convid-19.

Até fevereiro de 2020, todos, com maior ou menor sofrimento, tinham suas vidas sob controle. Aí o acaso (?) traz um vírus que está transformando a vida de todos e tanto o presente quanto o futuro próximo tornaram-se imprevisíveis.

MARÇO, O gigante adormecido é acordado e daí para frente … abril, maio e os próximos que virão vivem o CAOS para combater este gigante

Na mitologia grega o nome caos parece derivar do verbo (chaíno) que significa separar.  Caos, então, é visto, também, como uma força  geradora de cisão, de rachadura.  A recomendação de isolamento social (a separação pública, social, pessoal e intima) é gerada pelo caos. Como consequência, há uma desordem nas vidas das famílias e nas vidas de cada um.

Voltaremos a falar sobre as relações familiares e, desta vez, sobre o impacto do isolamento social na dinâmica familiar.

 Antecipando, podemos dizer que, diante dessa situação, algumas famílias aproveitam a oportunidade para estreitar ou romper seus laços; outras usam para a catarse do que traz impasses no relacionamento (“roupa suja se lava em casa”) Algumas, geralmente de baixa renda, não têm como se afastarem/aproximarem umas das outras.

A esperança é que tanto as instituições, a sociedade em geral, as famílias e cada um tenham a sabedoria para transformar o CAOS em CRISE, quando, apesar do risco existe a oportunidade de crescimento.



Deixe uma resposta