logo
Poema, Poesias e Prosas em destaque

SOBRE A VIDA

Pensamentos de Clarice Linspector e Charles Chaplin imagem de Myriam Zilles por Pixabay Vários autores escreveram e escrevem sobre a vida, estes dois foram escolhidos por falarem da liberdade de ser. "Sonhe com o que você quiser Vá para onde você queira ir. Seja o que você quer ser, porque você possui ...

O amor é fogo que arde sem se vê (sente)

O belo soneto “O amor é fogo que arde sem se vê” de Luís de Camões escrito no século XIV tem uma versão, considerada plágio. Paulino Antonio Cabral (Abade de Jazente) também fez um belo poema no século XVIII usando parte do texto de Camões. Apresentamos aqui o original de Camões e a versão de Abade de ...

Um belo poema sobre o Amor

Perdido o medo à verdade E a vergonha de ser pouco Capaz enfim de se olhar no fundo do poço  Afinal vencido o muro Invisível muro duro Que faz tempo descobri Entre o dizer e o fazer Avanço: E o rumo é o do amor Sabendo cero por aonde vou, Com quem e a que vou Mas agora, quanto ...

MINHA MÃE

VINICIUS DE MORAES Minha mãe, minha mãe, eu tenho medo Tenho medo da vida, minha mãe. Canta a doce cantiga que cantavas Quando eu corria doido ao teu regaço Com medo dos fantasmas do telhado. Nina o meu sono cheio de inquietude Batendo de levinho no meu braço Que estou com muito medo, minha mãe. Repousa a luz ...

CONSCIÊNCIA NEGRA LEMBRA MARIA MARIA

[embed]https://www.youtube.com/watch?v=lHIGhkrdOeU[/embed] Maria, Maria/ MILTON NASCIMENTO MARIA, MARIA É um dom, uma certa magia             Mas é preciso ter força É preciso ter raça É preciso ter gana sempre Quem traz no corpo a marca Maria, Maria Mistura a dor e a alegria... Mas é preciso ter ...

SETEMBRO AMARELO A CANÇÃO DO SUICIDA

  RANIER MARIA RILKE Só mais um momento. Que voltem sempre a cortar-me a corda. Há pouco estava tão preparado e havia já um pouco de eternidade nas minhas entranhas. Estendem-me a colher, esta colher de vida. Não, quero e já não quero, deixem-me vomitar sobre mim. Sei que a vida é boa e que o ...

As mãos do meu pai

Mário Quintana As tuas mãos tem grossas veias como cordas azuis  sobre um fundo de manchas já cor de terra — como são belas as tuas mãos — pelo quanto lidaram, acariciaram ou fremiram na nobre cólera dos justos... Porque há nas tuas mãos, meu velho pai, essa beleza que se chama simplesmente vida. E, ...