logo

Glória da Manhã

Rubem Alves

imagem de nare park por pixabay

                                              “Glória da Manhã” (Ruben Alves)

        Plantei, na frente da minha casa, uma trepadeira. Nome bonito! “Glória da Manhã”. Pensei que o ipê que neste período do ano está triste e sem cores, se alegraria se o seu tronco se cobrisse de flores azuis. E assim foi. As sementes germinaram rápidas, os ramos cresceram esguios e sinuosos, e a rua se encheu de uma cor nova…

Acho esta flor muito especial.

        Primeiro pela beleza. Simetria pentagonal, quase circular. Uma única pétala em forma de cálice. E o azul claro, quase transparente. Ela se abre logo que o sol aparece. Daí o nome: “Glória da Manhã”. Isso é tudo alegria. Walt Whitmann dizia que uma “Glória da Manhã” na sua janela lhe trazia muito mais prazer que todos os livros de filosofia. Com o que eu concordei. Porque aquela flor fala alguma coisa. Nós sempre conversamos…

        Mas há uma tristeza; é efêmera. Lá pelas doze horas, quando o calor é mais intenso, começam a aparecer no azul sinistras estrias roxas, sinal de que o fim está chegando. Sua vida não dura mais que sete horas. Logo a pétala se enruga, murcha, enrola-se, torna-se roxa. Morreu. Nunca mais. Se Vinícius a tivesse visto talvez tivesse mudado o seu poema:

“Não é eterna posto que é flor, mas é infinita enquanto dura…”

        Comove-me sua tranqüila beleza pela manhã – sem saber que em breve estará morta. Ou saberá? Talvez, se percebêssemos que somos efêmeros como a “Glória da Manhã” seríamos tão belos quanto ela.

         Mas a manhã seguinte nos revela uma surpresa. Porque a trepadeira que viu morrer, na véspera, as dezenas de flores que a cobriam. Já se havia reparado. E outras tantas se abrem de novo , ao nascer do sol, repetindo a mesma beleza, a mesma tristeza, como se fosse um tema que se renova sem cessar: vida e morte, vida e morte…

        Gostaria de poder ser como ela: viver intensamente o momento que me é dado, fiel apenas a beleza que mora em mim…



Deixe uma resposta