logo
prev next

Panela Depressão

Não me interessa o saber da ciência frente à panela depressão. Aqui não cabe o saber fazer com os elementos fogo, ar, água e pressão. Sei usá-la e a utilizo muito bem, mas o medo, ahhh o medo de que ela exploda nunca me deixou! Penso que é melhor ter medo da panela depressão do que temer o ...

Reflexões sobre esperança e sonhos

A maioria dos autores vê relação entre os sonhos e a esperança. De modo geral, a esperança é vista como um bem precioso e o sonho como necessário. Pesquisa realizada nos sites Pensador (WWW.pensador.com), Citador (WWW.citador.pt) e frasesparaface.com.br possibilitou me a escolha de frases e ...

DEZEMBRO MÊS DOS PRESENTES COMEMORAÇÕES E REFLEXÕES

    DEZEMBRO é um mês extraordinário, ao mesmo tempo em que algumas máscaras caem outras se fortalecem. É o mês onde o PARECER é mais evidente. PARECER amigo, amado, que ama, que é alegre, que é feliz, que é generoso, que tem uma família maravilhosa e muito unida. Socialmente, ...

MEU PRESENTE

A TODOS QUE ESCREVERAM TEXTOS, QUE ACOMPANHARAM, QUE CURTIRAM O WWW.CASALEFAMILIAAOVIVO.COM.BR NESTE ANO DE 2017. VOCÊS ME DERAM FORÇA PARA CONTINUAR NESTE EMPREENDIMENTO, QUE É TER UM BLOG/SITE. DEDICO A VOCÊS O BELO POEMA DE CRIS PIZZIMENT  (POR MUITOS ATRIBUÍDO À CORA ...

A influência do financeiro na vida a dois

Bruna Godoy/ psicóloga  Então é quase Natal! A cidade fica iluminada, muitas festas e comemorações deixam a impressão de que o mês de dezembro é mais curto. O tempo parece menor, o movimento no comércio aumenta, os gastos são maiores e é preciso tomar cuidado com os exageros. Nesta ...

O PRESENTE DA (DÁ) ALEGRIA

Tânia Nogueira/Psicóloga Quem não gosta de ganhar presente? Quem não se lembra de algum (s) presente (s) que ganhou de alguém especial? E de algum presente que deu e que foi especial para quem recebeu? Em nossa cultura é valor dar e, simultaneamente, receber presentes. Em algumas ocasiões, ...

A MINHA DOR

 FLORBELA ESPANCA A minha Dor é um convento ideal Cheio de claustros, sombras, arcarias, Aonde a pedra em convulsões sombrias Tem linhas dum requinte escultural. Os sinos têm dobres de agonias Ao gemer, comovidos, o seu mal … E todos têm sons de funeral Ao bater horas, no correr dos dias ...